Jornada de Debates na Mineração

Data do Evento
Término
3ª Jornada de Debates na Mineração

Acontece entre os dias 22 e 24 de novembro, das 19h às 21h, a 3ª Jornada de Debates na Mineração, evento virtual organizado pelo CRIAB (Grupo de Ação e Pesquisa em Conflitos, Riscos e Impactos Associados a Barragens), em parceria com a_Ponte (ONG de divulgação de geociências crítica), o Instituto de Estudos Avançados (IdEA) da Unicamp, o Fórum Popular da Natureza, a Escola Popular da Natureza e o Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM).

A Jornada de Debates na Mineração, iniciada em 2019, pretende aprofundar o debate sobre o “problema mineral brasileiro”, desde o mundo do trabalho e consumo, aos conflitos territoriais advindos da superexploração da natureza e da interferência nos modos de vida das comunidades atingidas.

Desde os rompimentos de barragens de rejeito das mineradoras Samarco (2015) e Vale S.A. (2019), nos municípios mineiros de Mariana e Brumadinho, respectivamente, o debate acerca do “problema mineral” ganhou maior visibilidade na sociedade brasileira. Movimento que é de extrema importância, uma vez que as reverberações da atividade mineral atravessam os povos, os territórios e as múltiplas formas de vida, com consequências danosas.

O mês de novembro remete à memória do desastre-crime da barragem de Córrego do Fundão, em Mariana, sob responsabilidade da Samarco/Vale/BHP Billiton, ocorrido em 5 de novembro de 2015 e considerado como um dos maiores ecocídios em território brasileiro.

Dentro da multiplicidade de questões que competem ao debate, a 3ª Jornada de Debates na Mineração vai se debruçar em três eixos, que contribuem para pensar os impactos da atividade para além da cava e dos próprios eventos de rompimentos. O objetivo é colaborar para a maior visibilidade e problematização de algumas práticas da atividade mineral e de suas consequências, que são, muitas vezes, silenciadas.

No dia 22 de novembro, 19h, o debate será sobre “Economia política da mineração e perpetuação da lógica colonial”, com o educador popular e filósofo Charles Trocate, o economista e professor da Unifesspa Giliad de Sousa e a doutora em desenvolvimento econômico Juliane Furno.

Em 23 de novembro, 19h, as discussões serão sobre “Mulheres e mineração: as opressões de gênero, raça e classe”, com a professora da UFRRJ Fabrina Furtado, a engenheira geóloga Ana Carla Cota e a advogada popular Larissa Vieira.

No último dia, 24 de novembro, às 19h, o evento será encerrado com um encontro para tratar da “Mineração para além da cava: reflexos na crise habitacional”, com o professor da UFRJ Edson Mello, o engenheiro civil Celso Carvalho e a advogada Irene Maestro.

Para saber mais sobre como se inscrever no evento, acesse o site.

3ª Jornada de Debates na Mineração