10 de novembro de 1988 - Tema IV – O Papel das Vanguardas

O debate reuniu intelectuais do Brasil e do exterior em torno do tema “Arte e Cultura”. Dos Estados Unidos vieram o professor de Crítica Literária da Universidade de Nova York, Robert Stam, que centrou sua fala no teórico Mikhail Bakhtin, sobre a crítica cultural e a “mass media”, e Richard Morse, ex-professor das Universidades de Yale, Stanford e Columbia e secretário do Programa Latino-Americano do Wilson Center. Morse direcionou sua participação na mesa para os escritores T.S. Eliot, Mário de Andrade, William Carlos Williams e Oswald de Andrade, na palestra “Quatro poetas modernistas das Américas”, enfocou seu trabalho na discussão da linguagem cubista e discursiva na poesia. Os principais representantes brasileiros foram o professor José Teixeira Coelho, da ECA-USP, com a conferência “Utopia e vanguarda em fim de século”, e o professor Celso Favaretto, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, que centralizou suas ideias no artista plástico Hélio Oiticica na palestra “A questão das vanguardas: Tropicália”. Participaram do debate o poeta Nelson Ascher, o crítico de arte Paulo Venâncio e o professor norte-americano de Literatura e Estudos Culturais George Yudice.

Richard Morse discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Richard Morse discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Robert Stam discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Robert Stam discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Teixeira Coelho discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Celso Favaretto discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Celso Favaretto discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
Celso Favaretto discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
George Yudice discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.
George Yudice discutiu a questão das vanguardas. Foto: Siarq/Unicamp.